Novembro Azul: Liga Contra o Câncer na luta contra o câncer de próstata

0
70

O diagnóstico tardio é um dos principais motivos para o câncer de próstata ser a segunda principal causa de óbitos em homens em todo o mundo. Com o objetivo de alertar e conscientizar a sociedade sobre a importância de ações preventivas, o cuidado com a saúde e a importância dos exames regulares com médicos especializados, a Liga Norte-Riograndense Contra o Câncer entra na campanha do Novembro Azul.

“O Novembro Azul busca mostrar aos homens que a saúde precisa ser uma prioridade e que a ida ao médico deve ser uma rotina, assim como é para as mulheres no caso dos exames preventivos. O urologista não cuida somente da próstata, mas do aparelho urinário e reprodutor como um todo, então é imprescindível para o homem ter uma vida saudável, fazendo visitas anuais ao profissional”, ressalta o superintendente da Liga a Liga Norte-Riograndense Contra o Câncer, Roberto Sales.

O câncer de próstata ainda acomete muitos homens no Rio Grande do Norte. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimam, somente no ano passado no Rio Grande do Norte, 8.470 novos casos de neoplasias malignas, com destaque para as de próstata, nos homens, e mama, nas mulheres. Só na Liga, em 2018, foram detectados 633 novos casos, número que representa um aumento de 14% em relação a 2017.

A doença pode ser prevenida mantendo hábitos saudáveis (não fumar, evitar bebidas alcoólicas e manter um bom peso corporal), porém, os principais fatores de risco são a hereditariedade e a idade (tanto a incidência, quanto a mortalidade, aumentam significativamente após os 50 anos), por isso é indispensável o acompanhamento médico. “Muitas vezes, os sintomas só aparecem no estágio avançado, prejudicando a agilidade do diagnóstico e, consequentemente, do resultado do tratamento. Por outro lado, os sintomas aparecem de forma gradativa e, por serem parecidas com doenças comuns do aparelho urinário, muitos homens não procuram um médico ao sentirem os primeiros sintomas”, destaca Roberto Sales.

Segundo dados do INCA, em 2018, 68 mil novos casos de câncer de próstata foram diagnosticados no Brasil, sendo estimadas mais de 13 mil mortes por ano.

Sobre a Liga

Reconhecida pela democratização do acesso à oncologia de ponta, a Liga é formada atualmente por seis unidades, sendo uma de apoio humanitário: o Centro Avançado de Oncologia (CECAN), Hospital Dr. Luiz Antônio, Policlínica, Hospital de Oncologia do Seridó (em Caicó), a Escola de Oncologia e a Casa de Apoio Irmã Gabriela.

Sociedade civil sem fins lucrativos, a Instituição realiza por ano um total geral 1.227.891 procedimentos realizados e destina mais de 68% de seu atendimento a pacientes do SUS, como parte de sua missão de levar a melhor assistência oncológica a todos os cidadãos, independente da forma de acesso.

Ao longo de sua história, a Liga conseguiu alcançar um nível de excelência raro para uma instituição filantrópica, além de estar se reinventando e, com isso, conseguindo dar conta do vertiginoso crescimento da demanda. “Por sermos uma instituição filantrópica, tudo o que é arrecadado é reinvestido. Então, isso nos permite fazer coisas que uma instituição que visa o lucro não faria. Apesar das dificuldades, estamos crescendo ano após ano. É otimizando nossa receita que conseguimos tratar da melhor forma possível todos os nossos pacientes”, afirma o superintendente da Liga, Dr. Roberto Sales.

Números

No último ano foram detectados na Liga 4.475 novos casos de câncer. Em termos de atendimentos especializados o volume também foi bastante significativo: mais de 353 mil aplicações de radioterapia, 41 mil ciclos de quimioterapia e mais de 15 mil cirurgias, 17.329 mamografias, além de 293.233 exames de patologia clínica, que somados a outros meios, gerou um número total geral de procedimentos realizados de 1.227.891.

Mesmo sendo uma instituição de direito privado, o trabalho da Liga Norte Riograndense Contra o Câncer é um bem público e segue com a missão de oferecer atenção oncológica de alto nível a todas as camadas da população.

Por Robson Pires