Mulher é condenada a 29 anos de prisão por participação na morte do marido na Grande Natal

0
121

Rubens de Azevedo Maia tinha 67 anos e foi morto a tiros em Parnamirim, Grande Natal — Foto: Reprodução/Arquivo da Família

Decisão aponta que Vanúsia Vicente e Ivanildo Félix eram amantes e planejaram de forma premeditada morte do advogado Rubens de Azevedo Maia, de 67 anos.

A 1ª Vara Criminal de Parnamirim condenou nesta quinta-feira (1), em júri popular, Vanúsia Vicente e Ivanildo Félix dos Santos a 29 anos e dois meses de prisão em regime fechado pela morte do advogado Rubens de Azevedo Maia, de 67 anos, em julho de 2018. Vanúsia era mulher da vítima na época do crime.

Na decisão, o juiz Marcos José Sampaio de Freitas Júnior cita que o júri não absolveu os réus e os qualificou ainda por motivo torpe e emboscada, além do agravante da vítima ter mais de 60 anos, o que elevou a pena.

A decisão aponta que ação do crime por parte de Vanúsia Vicente e de Ivanildo Félix se mostrou “altamente premeditada”. Os autos analisados, segundo a decisão judicial, indicam que eles tiveram uma “postura fortemente dissimulada em relação ao evento criminoso, o que aponta para personalidade acentuadamente antissocial”.

O juiz aponta ainda na decisão que o crime foi planejado pelos réus em função de um envolvimento amoroso entre eles – um deles a então mulher do advogado morto. “Observa-se que o delito se desenvolveu em contexto de traição conjugal contra a vítima pelos réus, o que intensifica a reprovabilidade das condutas”.

O envolvimento de menores de 18 anos no crime, além da emboscada agravaram a pena. “Além disso, o crime envolveu pistoleiros com menos de 18 anos, caracterizando crime de corrupção de menores, bem como foi precedido de sequestro da vítima, delitos menos graves absorvidos pelo mais grave e que configuram circunstâncias objetivas, que se estendem a todos os envolvidos”.

O crime

O advogado Rubens de Azevedo Maia, de 67 anos, foi encontrado morto no dia 22 de julho de 2018 em uma estrada de terra na localidade de Cajupiranga, em Parnamirim, com marcas de tiros na cabeça. O carro dele estava a cerca de 800 metros do local.

Na época, Vanúsia, a mulher dele, contou à polícia que ela e o marido chegavam em casa, no bairro Liberdade, em Parnamirim, em uma caminhonete Hilux, quando foram abordados por dois criminosos armados, que ordenaram que ela descesse do veículo e levaram o automóvel com o advogado dentro.

Três dias após o crime, a Polícia Civil prendeu Vanúsia por envolvimento no crime e Ivanildo como sendo o executor do assassinato. Na época, o delegado Carlos Brandão, titular da 2ª DP de Parnamirim, já apontava que os dois suspeitos seriam amantes e planejaram a morte do advogado para se apossarem dos bens da vítima.

Rubens Maia foi levado da frente da casa onde morava, em Parnamirim, RN, pelos criminosos — Foto: Marksuel Figueredo/Inter TV Cabugi

Rubens Maia foi levado da frente da casa onde morava, em Parnamirim, RN, pelos criminosos — Foto: Marksuel Figueredo/Inter TV Cabugi

G1 RN