‘Pedi pelo amor de Deus que não me matasse, nem minha filha’, diz testemunha de chacina em Natal

0
163

Quatro pessoas morreram e uma ficou ferida em chacina na Zona Norte de Natal — Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

Quatro homens morreram e um ficou ferido após crime dentro de bar, na madrugada desta segunda (21). Mulher e criança de 5 anos foram poupadas.

Uma testemunha da chacina que aconteceu na madrugada desta segunda-feira (21) em Natal afirmou que pediu “pelo amor de Deus” que os criminosos que mataram quatro pessoas e deixaram outra ferida poupassem sua vida e a da sua filha de cinco anos de idade. O crime aconteceu em um bar no bairro Lagoa Azul, na Zona Norte da capital.

A mulher disse que ouviu os tiros e saiu para o quintal para ver o que estava acontecendo, quando se deparou com um dos criminosos. Ela era esposa de uma das vítimas.

No beco, eu vi um homem encapuzado com uma lanterna, eu pedi pelo amor de Deus que ele não me matasse, nem minha filha. Corri para dentro de casa, me tranquei, me tranquei dentro do banheiro abraçada com minha filha. Me ajoelhei e rezei para eles não arrombarem (a porta). Com muito tempo, eu sai e vi todo mundo morto
— Testemunha

A chacina aconteceu dentro de um bar, por volta de 1h. O dono já estava limpando o estabelecimento para encerrar o atendimento e um grupo de jovens jogava sinuca, quando quatro a cinco criminosos chegaram ao local em um carro branco e começou a atirar contra as pessoas que estavam no local.

O dono do bar, Josué Pereira da Costa, de 45 anos, e três jovens com idades entre 17 e 18 anos, foram atingidos pelos disparos e morreram. Um outro jovem foi baleado, mas acabou socorrido ao Hospital Santa Catarina, na Zona Norte da capital.

As vítimas foram identificadas como:

  • Josué Pereira da Costa, 45 anos, dono do bar
  • Diago Teixeira Marinho, 18 anos
  • Vinícius Gabriel Jorge Santana, 18 anos
  • Vladson Mateus Silva Gadelha, 17 anos

A polícia ainda não divulgou informações sobre a possível motivação da ação violenta ou se uma das vítimas era alvo principal do assassinos. Nenhum suspeito foi preso.

O Instituto Técnico-Científico de Perícia realizou perícia no local e recolheu os corpos das vítimas. O caso é investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil.

G1 RN