Israel tem queda de 60% na internação de idosos três semanas após início da vacinação contra covid

0
222

Foto: Menahem Kahana/AFP

A vacinação contra a covid-19 começa a apresentar resultados em Israel. Três semanas após o início da campanha nacional de imunização, o país do Oriente Médio registrou uma queda de 60% nas internações hospitalares de idosos.

O dado foi divulgado em um relatório do Maccabi Healthcare Services, repercutido pelo jornal The Times of Israel nesse domingo, 24. Apesar da redução das internações, ainda não está claro se os benefícios estão sendo sentidos igualmente por aqueles que desenvolveriam casos leves e aqueles que desenvolveriam casos graves.

As hospitalizações começaram a cair drasticamente a partir do dia 18, após as pessoas receberem a primeira dose da vacina da Pfizer/BioNTech, que está sendo utilizada pelo país. No dia 23 – dois dias depois da segunda dose começar a ser aplicada – há uma queda de 60% nas hospitalizações entre pessoas com mais de 60 anos, revelou o estudo após monitorar 50.777 pacientes.

“Estes dados são muito importantes”, disse Galia Rahav, diretora de doenças infecciosas no maior hospital de Israel, o Sheba Medical Center, ao jornal israelense. “Tem um impacto porque em meio a altas taxas de infecção e a disseminação de variantes do vírus, é difícil ver em números gerais como a vacinação está influenciando as coisas”.

Apesar disso, Rahav alerta que parte da queda pode ser devido a uma tendência das pessoas recém-vacinadas de aderir às regras de bloqueio.

As informações do estudo mostram que até o dia 13, os vacinados com mais de 60 anos tinham taxas de infecção semelhantes às da população geral com mais de 60 anos. Então, no dia 23, havia 18 infecções diárias entre os 50.777 no total, mas apenas seis entre os vacinados.

Expandindo a vacinação

No domingo, 24, Israel expandiu sua campanha de vacinação contra a covid-19 para jovens de 16 a 18 anos.

O objetivo, segundo o governo israelense, é permitir que os jovens possam retornar para a escola e realizar provas de admissão a universidades, sem prejuízos adicionais. O país determinou o fechamento das escolas no dia 17 de dezembro e ainda não reabriu.

Israel, que tem a taxa de distribuição de vacinas mais rápida do mundo, espera começar a reabrir sua economia no mês que vem. Com as importações regulares de vacinas da Pfizer/BioNTech, Israel administrou pelo menos uma dose a mais de 25% de sua população de 9 milhões desde 19 de dezembro, diz o Ministério da Saúde.

As vacinas foram inicialmente limitadas a idosos e outras categorias de alto risco, mas agora estão disponíveis para qualquer pessoa com mais de 40 anos ou – com a permissão dos pais – aqueles entre 16 e 18 anos.

Vacina da Pfizer ainda longe do Brasil

Enquanto Israel iniciava a imunização de adolescentes e jovens, no domingo, com a vacina da Pfizer/BioNTech, o Ministério da Saúde do Brasil criticava a proposta de venda de doses feita pela farmacêutica americana. Segundo o governo, em nota, a aquisição de número restrito de doses funcionaria mais como uma ‘conquista de marketing” para a fabricante, mas seria uma “frustração” para os brasileiros. A proposta da farmacêutica para o governo brasileiro envolvia 2 milhões de doses no primeiro trimestre e o imunizante tem 95% de eficácia contra o vírus.

A pasta ainda classificou como “leoninas” e “absurdas” cláusulas do contrato proposto pela Pfizer e afirmou que não aceitará “imposições de mercado”. Entre os itens atacados pelo governo, está a “assinatura de um termo de responsabilidade por eventuais efeitos colaterais da vacina, isentando a Pfizer de qualquer responsabilidade civil por efeitos colaterais graves decorrentes do uso da vacina, indefinidamente”. Essa parte do acordo tem sido mencionada pelo presidente Jair Bolsonaro para questionar a segurança das vacinas.

O ministério, que tem à frente o general Eduardo Pazuello, disse que em nenhum momento “fechou as portas para a Pfizer”. Acrescentou ainda que esperava uma mudança de postura da multinacional, para uma entrega “viável e satisfatória”. A pasta ainda menciona a complicada logística de armazenamento e transporte dos imunizantes da Pfizer, que exigem refrigeração entre -70°C e -80°C em ultracongeladores. Também reclamou da necessidade de comprar diluentes para poder aplicar o produto na população./

Com informações do THE WASHINGTON POST E THE TIME OF ISRAEL

Estadão

Blog do BG