MP notifica igreja de Malafaia por culto com 1.200 pessoas

0
157

O promotor de Justiça Marcelo Paulo Maggio, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), notificou nessa sexta-feira (26) a igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo de Curitiba.

Isso porque a organização religiosa, que pertence ao pastor bolsonarista Silas Malafaia, realizou um culto na noite da última quinta-feira (25) que reuniu cerca de 1.200 pessoas em meio a um dos momentos mais agudos da pandemia na capital paranaense. A celebração foi conduzida pelo próprio Malafaia e por sua filha, Rachel Malafaia.

O culto ocorreu no mesmo dia em que a secretária de Saúde da cidade, Márcia Huçulak, alertou sobre a superlotação dos hospitais e falou que a capital curitibana vive uma “avalanche de Covid”.

“Tem sido uma avalanche de casos de Covid-19 nas UPAs [Unidades de Ponto Atendimento] e com quadros graves. Quando a sociedade se movimenta, aumenta a proliferação e o número de casos, o que demanda mais internação para a doença. E, ao mesmo tempo, aumenta o número de acidentes, de trauma e violência. A gente precisa que a sociedade circule menos”, declarou a chefe da pasta.

Imagens feitas pelo fotógrafo Eduardo Matysiak e obtidas pela Fórum mostram centenas de pessoas que participavam da celebração de máscara, mas sem distanciamento. O pastor Malafaia, por sua vez, alega que o templo comporta mais de 3 mil fiéis, mas o evento foi realizado para “apenas” 1.200 e, segundo ele, foram respeitados todos os protocolos contra o contágio da Covid, com lugares demarcados, álcool gel e distanciamento.

Enfurecido, Malafaia acusou o jornalista Guilherme Amado, da revista Época, de “fake news” por noticiar a realização do culto.

Por Robson Pires